Chico Xavier

Um emissário, um enviado, um missionário do Cristo. Um espírito luminoso fora da época da Terra.Tal como o Cristo, nasceu e desencarnou pobre.

Sua obra, mais de 400 livros, é conhecida no mundo inteiro; foi traduzida para vários idiomas.


Teve, portanto, mais de 400 oportunidades de enriquecer. Mais de 20 milhões de livros espalhados pelo mundo. Incontáveis mensagens particulares de que foi medianeiro.

Amigo íntimo dos Espíritos do Mestre Jesus. Como Francisco de Assis, distribuía com os pobres tudo o que possuía, sem ficar com nada. Nunca almejou ser rico e nem possuir bens materiais. Seu carro, sua condução eram os dos amigos ou seus próprios pés. Seu salário do Ministério da Agricultura garantia seu sustento. Não era grande.

Falar de Chico ou sobre Chico é falar dos missionários de Jesus que vieram a Terra contribuir para o aprimoramento do planeta.

Assim como Jesus, seu imenso valor será reconhecido mais tarde.

A reencarnação foi comprovada através dos relatos dos Espíritos André Luiz, Emmanuel e muitos outros, atestando que a morte não existe.

A obra de Chico veio enriquecer, veio complementar a obra de Kardec. Ambos foram os missionários encarregados por Jesus de trazer O Consolador prometido para esclarecimento e conforto dos homens.

Nos livros de Chico se aprende a praticar a humildade, a indulgência, a beneficência e o perdão.

Pessoalmente, Chico demonstrava ser possuidor de todas estas virtudes e as exibia no seu comportamento. Era sempre alegre, acolhedor. Nunca zangava.

Sempre sereno, distribuía conforto aos que lhe procuravam. Mesmo cansado e alquebrado, nunca se recusou atender qualquer pessoa.

Para falarmos desse Espírito iluminado, sem cometer pecados de falta de citação, era necessário que soubéssemos de todos os talentos de que possuía, e que dos quais um só não tivesse sido bem desenvolvido e empregado por ele. A disciplina, a humildade, a indulgência, o perdão, a caridade, o desapego dos bens materiais, a disponibilidade 24 horas para fazer o bem eram alguns desses talentos que conhecíamos. Quantos tantos outros ignorávamos de que era possuidor. 

A disciplina a que teve que ser submetido para suportar os maus tratos de seus familiares que o criaram a partir do desencarne de sua mãe. O esforço a que foi submetido para a conquista intelectiva a fim de ser o "link" preferido de Emmanuel.

A Espiritualidade Maior deve estar em festa com o retorno do bom Chico. Nós estamos órfãos mas compreendemos sua necessidade de evoluir e retornar à pátria espiritual.

Quantos de nós sentiram a importância de ter convivido com ele.

Falar de Chico e a importância de sua obra no desenvolvimento intelecto-moral dos povos, requer uma atenção minuciosa e uma análise profunda na modificação do comportamento daqueles que tiveram a felicidade de tomar conhecimento de seus escritos. Suas mensagens psicografadas trouxeram esclarecimentos e, com isto, conforto, para portadores de muitos males psicofísicos.

Futuramente, teremos a noção total e real do trabalho do grande Chico. Compreenderemos a real dimensão de sua Missão aqui na Terra.  Teremo-lo como um apóstolo de Jesus.

Peçamos a Deus e a Jesus que da pátria espiritual, possa ele, Chico, continuar a nos esclarecer e confortar e prosseguir na sua missão redentora de nosso planeta.

Salve Chico! 
José Alberto Pastana